12.11.06

Angústia

Cuspo essa poesia
de dentro da minha alma
dos confins do meu ser
para você.

Olhar doce
perdido
deixa eu te mostrar
meu caminho.

Suave toque
não destoque
não saberei viver
assim...

Não va para o longe
não posso ficar sozinho
não vivo sem você.

Meu pensamento é você
saia da minha mente
ou venha para mim...
Não consigo viver
assim.

Você veio e embaralhou tudo
um furacão destruidor
que vai embora
deixando lágrimas ao passar
e você está deixando as minhas...

Não, não aguento mais isso
não vou chorar
essa angústia agora
que bate no meu peito
ela vai me matar...

Sinto seu cheiro
imagino seu corpo
e por um momento
estou com você.

Você que me persegue até nos sonhos
e me faz quere-los que dure para sempre
você, dona da minha angústia
por favor
termine com essa tortura.

Essa tortura da alma
que dilacera corações
expreme lágrimas
e me faz querer
desamar.

Cuspo essa poesia para você
de dentro da minha alma
do fundo do meu ser.