22.6.06

Às Avessas


Decompõe-me em metáforas
Arranca de mim as palavras
Que tanto insisto em dizer.

Devagar, desnuda-me a alma
E a possui com calma
Devorando em calculada antropofagia
Todos os traços de sua anatomia.

Penetra em (poética) sodomia
Meu mais profundo desejo
Que até então dormia
E despertou no ensejo.

Percorre o caminho inverso
Pelas rimas do meu corpo
Regurgito assim o verso
Que julgava estar morto.

Ps: Essa poesia, uma das que eu mais gosto, é de Melina uma daquelas poetas que dá gosto de ler o que escreve, consegue ser sutil, simples e lírica. A imagem é de artes do marcos, um site interessante, porém desatualizado que encontrei no google.