17.9.05

Olhou aqueles grandes olhos e desejou que o tempo parasse ali.Queria aqueles olhos só para ele. A noite tinha tudo para ser maravilhosa.

Ela, subitamente disso.

- Meu amigo hoje me disse que achava que você era gay!

Franziu as pálpebras. Olhou fixamente para ela. E disse com ar de sério.

- O que? gay!? pq ele axa isso? eu tenho jeito de viado!?

Ela soltou uma bela gargalhada, e ele prosseguiu.

- Será que eu sou gay e não sei!? Será que todo mundo acha que eu sou gay! e você!? do que esta rindo!?

- Nada amor. Deixe disso. Volte para cama!

Ele se levantou visivelmente nervoso e abalado com a revelação. Não aceitava aquilo. Como pode!? Será que era mesmo gay! Não, não era possivel isso. Desde pequeno aprendera a fazer a distinção, "o que entra é o homem, meu filho" "você vai colocar o seu fusquinha na garagem da sua mulher" sua querida mãe sempre dizia isso. Tá certo que no primário tinha fama biba, porque preferia a conversa com as meninas ao futebol. E também nunca foi um machão. Sempre se considerou um homem sensivel. Tivera mais amigas do que amigos. Mas nada que justificaria aquele comentário. Se esforçava para manter o tom de voz mais grosso enquanto estava no trabalho, apesar de nunca ir pro futebol às sextas, e nem ir para churrascos. Será que ele era gay. Não.

Ela então, arrependida do que falou disse carinhosamente.
- Você não é gay não meu amor, e venha logo para esta que a sua tigresa está pronta para te fazer aquele fio terra!