4.5.05

Um caso

Estava triste, mais do que isso, perdera totalmente seu senso de felicidade e alegria, seu coração estava absorto em romances falidos, e sonhos destroçados, não havia esperança em seu ser, só restos.
Observava isso de longe, não podia perder de vista olhos tão lindos e mórbidos quanto os dela, não queria deixar passar essa carinha, ao mesmo tempo tão angelical e triste, da sua vista, seu coração pedia-lhe incessantemente a aproximação, suas noções de sociedade, o impedia; o coração argumentava dizendo-lhe que esta poderia ser sua ultima chance, sua mente retorquia dizendo que um insucesso poderia lhe causar demasiada tristeza.
Sabia que estava sendo observada de longe por um alguém que talvez fosse igual a todos os outros destroçadores de sonhos, e não lhe dava a minima, seu coração estava demasiadamente esmagado para pensar num flerte, queria mesmo era fcar ali, sozinha com seus pensamentos obsessivos e seu coração despedaçado.
Subitamente a mente dele perdeu o controle e seu coração tomou conta do seu corpo, e tratou de fazer suas pernas se mecherem afim de se aproximar daquela bela e solitaria garota, em um estado de transe, movido pelo sentimento que era de tamanha grandeza que não sabia nem o que dizer, muito menos como agir, era tudo coração.
Louco, pensou ela ao ve-lo aproximar, mas no fundo os resquicios de sentimento e esperança clamavam por aquela aproximação, e no coração, aonde até então havia trevas, a luz começou a se formar e uma pequena e nova atração a nascer...