16.6.09

O Palhaço

Senti vontade de escrever em cada espaço em branco daquela parede. Deixar, ali, uma marca daquela profussão de sentimentos.

O palhaço ainda com a maquiagem, chora seus terremotos internos.

Nas paredes estaria escrita a gloriosa história dele, que morreu afogado em suas lágrimas, até encontrar a outra parte da sua solidão.

A água consome o palhaço e faz dele um espetáculo tragicômico.

A história seria cíclica, sem fim. Mesmo sem acreditar na eternidade, aquele era um momento em que ele queria a eternidade.

Em um suspiro, o palhaço encontra o pássaro. Ele então agarra-se ao pássaro e experimenta uma lufada de liberdade.

À esse momento, o vinho já lhe descia mal, quando imaginou as belas declarações que ele gostaria de escrever.

O tragicômico passou, mas o palhaço ainda mantinha os seus medos. Não confiava.

A tontura chegou, procurou uma caneta próxima. Ele precisava falar aquilo.

O palhaço calou-se