28.11.06

O querer-te

Às vezes me pego nessas madrugadas quentes
redescobrindo as curvas do seu corpo
o calor da sua presença
o odor do teu hálito.

Relembro também
o gosto do seu sexo
a doçura do seu olhar
e o timbre da sua voz.

Às vezes me pego nessas madrugadas quentes
ardendo em desejo de te ver
e de rasgar as suas roupas
de te violar...

Mas vejo que estou sem você
o real volta furiosamente
e tenho que me contentar
em apenas
querer-te.