15.12.04

Arvores cantando, Sofia ouvia todos os dias, mas fazia uma semana, que não ouvira mais, todos os dias, incansavelmente ela saía de casa e ia até a floresta, tentar ouvir as arvores cantando, mas ja fazia uma semana que nada, nem sequer uma notinha. Sua mãe sempre lhe falou que arvores não cantavam, e que quando fosse mais velha iria perceber isso, mas Sofia, teimosa como sempre, sempe dizia que as arvores cantavam sim! no entando, havia uma semana que elas não cantavam mais, será que ela tinha crescido? Sua querida mãe, sempre lhe chamava de mocinha, será mesmo que ela tinha virado uma mocinha, e por isso não ouvia mais as arvores? se era isso, ou não, ela iria mudar isso! Acordou na sexta-feira, escovou seus dentes, comeu seu café da manhã, e saiu correndo para floresta, e se sentouna copa de uma arvore grande e verde, e falou bem alto:
- POR QUE VOCÊS NÂO CANTAM MAIS?
esperou por uma resposta, e nada, apenas ouvia o barulho dos grilos e dos passaros proximos a ela, se sentiu triste, e por um momento uma lagrima pareceu escorrer sobre seu rostinho inocente de uma criança de 6 anos, e nesse exato momento apareceu um grilo de oculos que falou:
- Por Que está chorando menininha?
Ela, enchugando sua lagrima, e olhando estranhamente para o misterioso grilo de oculos, falou:
- Não ouço mais as arvores, por que elas não cantam mais?
O grilo, esperto como sempre, deu uma ajeitadinha em seus oculos, olhou seriamente para a cara de Sofia e disse:
- Elas continuam cantando sim, eu mesmo estou as ouvindo nesse momento! você deve estar com algum problema no ouvido!
Sofia, não tinha pensado nisso, será mesmo que ela estava com um problema no ouvido, problema o qual não permitia a ela ter o prazer de ouvir as arvores?
- Como faço para resolve-lo?
O grilo parou, seus olhos voltaram para cima, como se embarcsse num profundo pensamento, mexeu novamente o óculos e disse:
- Acho que o Dr. Coelho seria capaz de te ajudar! a propósito, qual é o seu nome garotinha?
- humm, Dr. Coelho, você pode me levar até ele, estou desesperada, preciso ouvir as arvores denovo! Meu nome é Sofia e o seu?
- O meu é grilo quatro-olhos, mas pode me chamar de Grilo! te levarei até a toca do Dr. Coelho!
Sofia agradeceu com um sorriso, enfim uma esperança de voltar a ouvir as arvores denovo! foi acompanhando os pulos do seu grilo, até chegar num buraquinho, meio esquisito.
-Dr. Coelhoooooo! Dr. Coeeeeeellllhhhho! tenho uma paciente para você!!!
Derrepente pulou um coelho meio desajeitado, com uma batina branca e um estatescópio pendurado, e um óculos, que mais parecia dois fundos de garrafas, do que lentes.
-Cadê? Cadê? Tem um paciente para mim, seu grilo?
- Tenho sim, é essa garotinha, ela não consegue mais ouvir as arvores!! acho que ela está com alguma coisa no ouvido, pode ajuda-la?
O coelho olhou para a garotinha, com um ar meio estranho, afinal, nunca tratara de pacientes humanos anteriormente e disse:
- Vou ver o que posso fazer!
Ele deu um salto, para o lado de Sofia, olhou para o seu ouvido, tirou uma lupa da sua batina e olhou mais precisamente, pulou até o outro ouvido e olhou atentamente com a sua lupa, parou, pulou até a frente de sofia, a encarou com um ar suspeito, até que o Grilo disse:
- E ai doutor? o que ela tem?
- Segundo meu estudo aprofundado dos ouvidos e suas respectivas doenças, meu laudo é claro e preciso! muita adultisse no ouvido! e essa adultisse está tampando o ouvido dela, e daqui a pouco ela será como os outros, acharão que apenas os humanos falam! tsc tsc
Sofia olhou desconfiada para o Coelho e disse:
- O que preciso fazer, para resolver esse problema?
O Coelho, quase irrompeu numa risada, e disse:
- Você não sabe??
- Não!!!
- Precisa ter sempre vontade de brincar e se divertir, sem se preocupar com os outros, ou com o que os outros pensam, e sempre olhar a natureza e conteplar suas belezas, e sempre vir aqui, tomar um chá conosco! ou seja, manter sempre o coração de criança!

ps. Será que sofremos de adultisse?